Melhores Práticas para Estruturar seus Links Internos e Impulsionar o SEO

10-2018 | SEO

Esteja você lançando um novo site, atualizando um site existente ou reestruturando seu conteúdo, sua estrutura links internos é essencial para o seu sucesso em SEO.

Links internos são todos os links que conectam suas páginas da Web. Ou seja, os links que permitem que o visitante vá de uma página a outra dentro do seu website.

Se você não possui uma estratégia de links internos, está perdendo uma oportunidade valiosa para aumentar seus esforços de SEO e simultaneamente, criar uma experiência de navegação mais amigável para seus visitantes.

Seguindo as práticas recomendadas na estrutura de links internos, você terá melhores chances de ver grandes resultados do seu esforço de SEO.

Há cinco práticas recomendadas essenciais para o sucesso da estrutura de links internos que você precisa conhecer:

  • Coloque o usuário em primeiro lugar;
  • Gerencie o peso e fluxo dos links internos;
  • Estruture seu conteúdo em torno dos tópicos;
  • Utilize conteúdos exclusivos e canônicos;
  • Indexação e priorização.

Este artigo o ajudará a entender os conceitos por trás das práticas recomendadas, além de planejar e implementar uma estrutura de links internos que criará relevância e autoridade no conteúdo. Também vai te ajudar a classificar melhor seu conteúdo e organizar seu site como um todo.

1. Experiência do Usuário

Trate com carinho os visitantes do seu site.

Não empurre para eles coisas que são ruins para o SEO, como conteúdo com algumas frases, muitos anúncios no início da página ou popups frequentes. Isso fará com que o visitante clique imediatamente em voltar, indo para a página do Google com os resultados da pesquisa.

Não importa o quão maravilhosa seja sua proposta de valor para o visitante do site. Se ele não conseguir entender você não vai alcançar os resultados que busca. Porque mesmo por que você queria que eles entrassem no seu site? Você tem que fazer com que seu conteúdo seja descoberto facilmente.

Os mecanismos de pesquisa enfatizam a recompensa de experiências positivas do usuário, pois se preocupam com o cliente final – quem está  fazendo a pesquisa. Quando ele usa o Google ou o Bing e encontra o que está procurando no início dos resultados da pesquisa, o site está dando valor ao usuário.

Com bilhões de pontos de dados sobre como os usuários interagem com os resultados de pesquisa e sites, os mecanismos conseguem ajustar algoritmos com base nos fatores de experiência do usuário. E isso só deve se intensificar no futuro (especialmente com o uso de machine learning e atualizações automáticas de algoritmos).

Além dos itens vemos e que o Google chamou especificamente de atualizações, é importante alinhar seu conteúdo com suas metas de conversão. Se você possui um conteúdo valioso que conduz naturalmente à jornada do cliente e ao ciclo de vendas, está se posicionando em um lugar onde terá a oportunidade de manter os visitantes que acessam seu site.

2. Fluxo do Peso dos Links Internos

Não pare a rotina de link building quando seu site começar a receber de outros sites. O valor (ou peso) do link passa de uma página para outra no site com base na mesma lógica.

Fluxo do Peso dos Links Internos

Anos atrás, quando tínhamos uma visão mais clara do Google PageRank, podíamos ver quanto peso cada página do nosso site possuía e era mais fácil gerenciar nossa estrutura de links para passar ao PageRank as áreas que mais nos interessam.

A ascensão da estrutura do PageRank veio e passou e agora não podemos ver as pontuações de RP. Contamos com métricas específicas de ferramentas de SEO, mas você não pode esquecer que o PageRank ainda está funcionando.

Saber onde os links externos chegam ao seu site ainda é fundamental se funcionar com a estrutura do site para garantir que você não dilua todo o peso da página de destino.

Ao ter uma navegação otimizada e não espalhar dezenas de links em todas as páginas, você pode fazer com que o peso de cada link flua para as páginas mais importantes. Isso significa conseguir distribuir para páginas de tópicos de nível superior ou para um pilar de conteúdo sobre um tópico extremamente específico.

Sua estratégia de criação de links (link building) deve estar alinhada com o conteúdo que você possui, como está estruturado e para onde você deseja enviar o peso de um link externo importante.

Felizmente os dias de sites em html puro estão praticamente extintos. Não precisamos fazer uma limpeza abrangente para não diluir todo o peso do link na primeira camada do site, pois o valor do PageRank é passado proporcionalmente a todos os links de cada página.

3. Contexto e Hierarquia

Não tenha medo de fazer com que os visitantes do seu site cliquem nos links ou rolem suas páginas.

Não precisamos manter todo o conteúdo técnico e aprofundado na página de primeiro ou segundo nível do site. Organize seu conteúdo em torno de tópicos e priorize o que tema maior abrangência nos níveis superiores, em comparação com páginas que possuem vários cliques.

Não é necessário de ter uma página por palavra-chave como nos velhos tempos de SEO. Agora podemos pensar muito mais como um resumo do artigo. Uma estrutura natural de nosso conteúdo, dos níveis superiores a páginas específica, o que permite desenvolver tópicos e tópicos dentro de tópicos em nosso site.

Em última análise, isso leva à classificação de qualquer coisa, desde o nível superior amplo até as palavras-chave imprevisíveis de cauda longa para o conteúdo específico e detalhado.

É importante organizar a hierarquia do seu conteúdo para um usuário e também para o mecanismo de pesquisa. Você pode ganhar relevância tópica ao garantir que seu conteúdo seja bem organizado e lógico para navegar.

O maior desafio que você provavelmente enfrentará são as partes interessadas em sua organização ou dentro da organização do cliente que pensam que tudo é importante e precisa estar na página inicial, ou nos links superiores.

Além de diluir o valor do link mencionado anteriormente, ter muitos focos e links na página inicial interfere no que você está fazendo para criar um contexto para o seu conteúdo e profundidade na ordem correta.

4. Conteúdo Exclusivo e Uso Canônico

Para criar uma marca forte e proporcionar uma experiência de qualidade ao usuário, você precisa de um conteúdo exclusivo.

Os mecanismos de pesquisa filtram o conteúdo duplicado em seus resultados. Se você tiver o mesmo conteúdo que todos os outros, pode ser difícil romper o status de “mais do mesmo” para se tornar a autoridade do setor ou nicho.

No entanto, existem razões legítimas para ter conteúdo duplicado. Você não pode ignorá-las ou anular a necessidade de resolvê-las.

Por exemplo:

  • Se você estiver em um setor altamente regulamentado, provavelmente terá um conteúdo semelhante a outros sites e precisará redigir seu conteúdo dentro de uma determinada maneira.
  • Se você tem um comércio eletrônico que possui o mesmo produto em várias categorias e tem descrições de produtos iguais em muitos sites, porque não teve tempo de personalizar para cada um.

É importante mapear e reconhecer áreas em que você tem conteúdo duplicado. Você pode usar ferramentas como o CopyScape para avaliar a gravidade dos problemas de conteúdo duplicado na Web e no seu site através de uma pesquisa em lote. Isso é especialmente importante se você pertencer a um grupo que possui conteúdo do produto no site que outras pessoas também estão usando nos seus sites.

Se você souber onde está pisando poderá planejar o uso de tags canônicas para páginas de conteúdo duplicadas e similares, variações de idioma (se você tiver conteúdo internacional) ou paginação em seu site.

A partir daí, você pode usar o sitemap como uma ferramenta para entender quando você coloca as páginas e os URL’s canônicos em que envia os mecanismos de pesquisa dentro e fora de seções específicas.

No comércio eletrônico isso pode ser complicado, pois, você pode inadvertidamente tornar uma categoria de produto invisível se você canonizar muitos produtos em uma categoria mais importante ou em uma versão base da página do produto, independentemente de qualquer categoria de produto. Você definitivamente precisa planejar isso cuidadosamente.

5. Rastreamento e Indexação

Todos os nossos esforços são inúteis se não garantirmos que os links sejam rastreáveis e que apenas os links primários e secundários sejam codificados em cada página.

Ao colocar links desnecessários em cada página, podemos desperdiçar um precioso esforço e foco de rastreamento.

A chave não é apenas fazer com que os mecanismos de pesquisa vejam todo o nosso conteúdo, mas também que tenham um caminho linear, fácil de percorrer em profundidade do conteúdo passando por todas as nossas áreas tópicas, mas também (e principalmente) facilitar a compreensão da associação de links entre as páginas com base nessa relevância tópica.

Quando não temos foco no rastreamento e não conseguimos desenhar a rede de links até determinadas páginas, perdemos a oportunidade de sermos altamente classificados em relação a todo o amplo espectro de terminologia de alto nível a específica. Além disso, nossos sites parecerão simples e planos, apesar de nossos esforços para criar conteúdo de qualidade em profundidade.

Conclusão

Embora as práticas recomendadas estejam sujeitas a alterações ao longo do tempo devido a alterações no comportamento do usuário em geral e nas prioridades dos mecanismos de pesquisa, precisamos manter o foco no que importa agora.

Com uma UX sólida, gerenciando o fluxo do peso do link, ajustando o conteúdo / contexto e a hierarquia, gerenciando o conteúdo duplicado e garantindo a indexação adequada, podemos posicionar nossos sites para o sucesso através de uma forte estrutura de links internos.

Estamos entrando em uma era em que a maior parte do que fazemos é natural e se alinha bem com o que a lógica do senso comum. Se começarmos por aí e entendermos os aspectos mais técnicos de como o peso de cada link, como ele é distribuído, como os canônicos funcionam e como indexar o conteúdo; não devemos encontrar problemas.

Você também pode gostar desses artigos sobre SEO